HFBnet - Hospital Federal de Bonsucesso
 
Comunicação Social  Notícias |   Clipping | Vídeo | HFB Informa | Informe HFB
Home
O Hospital
Gestão
Centro de Estudos
Comunicação Social
CCIH
Ouvidoria
HFB Ciência
Sua Saúde
Links
Recursos Humanos
Programa de Diabetes


  você está aqui > Home > Comunicação Social > Notícias

002/19/2008

Maternidade desejada pode ser uma conquista

Por Ana Elisa Moraes

Ana Elisa


A maioria das mulheres deseja ter filhos, sentir o prazer da maternidade e deixar pelo menos um representante para perpetuar a família. Mas o que pode ser fácil para umas, para outras o mesmo não acontece. Fatores como faixa etária e estresse estão entre as causas da infertilidade, que ainda pode ser potencializada por insegurança, cobranças da sociedade e ansiedade. Para ajudar os casais nesta busca pelo caminho certo de aumentar a família, o HGB, através do trabalho em equipe da Ginecologia e da Psicologia, realiza atendimentos no Ambulatório de Infertilidade.

Dra. Maria Fernanda Campos Couto, ginecologista responsável pelo Ambulatório da Infertilidade, diz que podem ocorrer diferentes situações que provoquem a infertilidade. A ginecologista lembra da existência da época fértil ideal, considerada acima de 20 anos e abaixo de 35 anos.

 

Fatores característicos da infertilidade

 

O casal está na faixa etária abaixo de 30 anos, tem relação sexual com freqüência normal e não consegue engravidar depois de tentativa por dois anos. Além disso, o ciclo menstrual é normal, não houve cirurgias ou gestações anteriores. Todos estes são fatores que podem caracterizar a infertilidade. “Fazemos desde a pesquisa do casal infértil até a cirurgia videolaparoscópica e microcirurgia de trompa”, diz Dra. Fernanda.

 

Se a mulher é maior de 30 anos, mesmo com ciclo regular é o antecedente que interessa. Também é analisada a proximidade de menstruação e a história cirúrgica da gravidez anterior.

 

Como o perfil da mulher atendida no Ambulatório é a que tem parceiro fixo, pelo menos há um ano, no início da investigação, o que se pede do parceiro é o espermograma para saber se há presença ou não de espermatozóides e se existe a quantidade adequada.

 

“A abordagem se faz sobre o ponto psicológico e com exames complementares que vão sendo solicitados durante o tratamento, dentro de um protocolo e de acordo com a necessidade”, ressalta Dra. Fernanda. É quando entra em ação o outro lado da equipe no Ambulatório, a Psicologia. A especialista nesta área no HGB, a psicóloga Márcia Natal, esclarece que o objetivo é atuar nos pontos de conflito que acompanham o casal que não consegue engravidar.

 

Participação familiar é importante

 

Duas vezes por mês, a psicóloga realiza um grupo terapêutico onde são debatidos temas a partir das situações vividas pelas usuárias do tratamento. Nestes encontros, que duram pouco mais de uma hora, Márcia Natal houve dúvidas e desabafos que, durante a conversa, são confirmados pelas outras mulheres do grupo, principalmente quando se referem aos familiares.

 

Elas não querem se identificar, mas deixam claro como se sentem pressionadas por parentes, vizinhos e amigos. Emocionam-se ao contarem as expressões ouvidas. “Meu filho quer me dar um neto e até agora nada”; ou ainda, “já tem tanto tempo que vocês casaram, quando vamos ganhar um sobrinho?” são frases comuns entre as mulheres atendidas no Ambulatório de Infertilidade.

 

Além da cobrança da sociedade, Márcia também levanta temas como a associação entre relação sexual e reprodução e conseqüente oscilação do desejo sexual. “Se o ato sexual for realizado com fins reprodutivos, o casal pode se sentir involuntariamente pressionado. O desejo então diminui e a qualidade da relação pode ser alterada”, explica a psicóloga. O fortalecimento de vínculo conjugal e relações maternas são outros pontos debatidos no grupo.

 

Segundo Dra. Maria Fernanda, o tratamento não tem um tempo determinado. Nem sempre se chega ao objetivo, pois depende da participação de todos os envolvidos, do casal e dos limites institucionais enfrentados ao longo do tratamento.

 

Enfim, grávida!

 

Vanusa Souza Miranda foi uma das usuárias do Ambulatório da Infertilidade por quatro anos e durante os últimos três anos teve acompanhamento psicológico. No ano passado, o resultado tão esperado aconteceu: a conquista da maternidade com o nascimento da filha Ana Clara. Felicidade para Vanusa e para seu marido Evandro.

 

O atendimento do Ambulatório de Infertilidade é realizado toda quarta-feira, de 8h às 12h, onde funciona o Ambulatório de Ginecologia. Para marcar a consulta é necessário trazer um encaminhamento, o preventivo e a ultra-sonografia transvaginal e se dirigir ao Prédio 2 / Térreo.

Voltar

21/04/2019 - INAUGURAÇÃO DE SERVIÇO

21/04/2019 - COLOCAÇÃO DE PRÓTESE FONATÓRIA

21/04/2019 - DIA DO OBSTETRA

21/04/2019 - AÇÃO INTEGRADA PARA HOSPITAIS FEDERAIS

09/04/2019 - DIA MUNDIAL DA SAÚDE

09/04/2019 - OUVIDORIA EM FOCO

 

HFBnet - Hospital Federal de Bonsucesso
Av. Londres 616 - Bonsucesso - Rio de Janeiro - CEP:21041-030

(21) 3977-9500
336571 visitantes