HFBnet - Hospital Federal de Bonsucesso
 
Comunicação Social  Notícias |   Clipping | Vídeo | HFB Informa | Informe HFB
Home
O Hospital
Gestão
Centro de Estudos
Comunicação Social
CCIH
Ouvidoria
HFB Ciência
Sua Saúde
Links
Recursos Humanos
Programa de Diabetes


  você está aqui > Home > Comunicação Social > Notícias

009/27/2008

25 crianças transplantadas entram em campo no Maracanã

Por Divulgação

No Dia Nacional do Doador de Órgãos, 27 de setembro, 25 crianças recém-transplantadas nos Serviços de Transplante Renal e de Fígado do Hospital Geral de Bonsucesso – com idades entre um e 12 anos – vão dar o pontapé na Campanha de Doação de Órgão no Rio de Janeiro. No sábado, às18h10, elas entram em campo junto com os jogadores do Flamengo e Sport Recife, com faixas pedindo que brasileiros doem mais órgãos. O Ministério da Saúde lançou sua campanha nacional – “Tempo é vida. Doe órgãos. Doe vida. Para ser um doador, avise sua família” – para reduzir a fila de cerca 70 mil pessoas.

A ação quer conscientizar a população para a importância deste gesto de solidariedade que salva vidas. Segundo a Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO), mais de 7,4 mil pessoas aguardam por um órgão no estado do Rio de Janeiro. O Hospital Geral de Bonsucesso, que realiza campanhas anualmente, é referência em transplantes, sendo o segundo na área renal e o quarto de fígado em todo o país.

A Unidade de Transplante Renal do HGB funciona há 27 anos e já realizou 1.483 transplantes até setembro deste ano. O Serviço de Transplante Hepático do HGB iniciou suas atividades há seis anos e já fez 302 cirurgias. Atualmente, o Hospital é o único no Estado que faz transplante de fígado e rim infantil, além de ser um dos três centros no Brasil que realiza esta cirurgia hepática em crianças abaixo de 10kg.

MUDANÇAS – Na quinta-feira (25), em Brasília, o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, anunciou uma série de medidas para aumentar a captação e doação de órgãos no país.  Confira abaixo os principais pontos de medidas sobre transplantes no país:


Regulamento Técnico do Sistema Nacional de Transplantes - Criado há 11 anos, o regulamento foi revisto com o objetivo de padronizar critérios de organização do Sistema Nacional de Transplantes, melhorar a articulação entre os órgãos gestores, organizar a procura de órgãos, contemplar as novas técnicas e tecnologias, entre outras mudanças compatíveis com o tempo atual. O regulamento ficará disponível na internet, pelo prazo de 60 dias, para consulta pública. Podem opinar sobre o documento, profissionais de saúde, organizações não-governamentais, trabalhadores de hospitais, entre outros segmentos da sociedade.


Sistema de gerenciamento/Transparência - O sistema de gerenciamento de transplantes será igual em todo o Brasil, por meio da implantação de software que vai administrar as listas nacional e regionais. A atual lista de espera de pacientes por órgãos, hoje restrita ao Sistema Nacional de Transplantes, passará a ser pública por meio da internet. As inscrições de pacientes candidatos a transplante, via internet, deverá ser feita pelo profissional de saúde, que terá a obrigação de manter os dados atualizados. Os pacientes inscritos poderão acompanhar o andamento das listas pela web. A mudança vai conferir transparência e permitirá maior controle social das listagens, inibindo eventuais fraudes ou irregularidades. O sistema refletirá o novo Regulamento Técnico do Sistema Nacional de Transplantes e terá de ser adotado por todos os estados.


Tabela de remuneração - A tabela de remuneração de procedimentos dos trabalhos terá as seguintes correções: 40% para transplante de coração; 30% para medula óssea, 20% para pulmão; e 10% para fígado e para o conjugado de pâncreas e rim. O transplante de coração passa dos atuais R$ 22,2 mil para R$ 31,1 mil; o de fígado, de R$ 51,8 mil para R$ 57 mil; de pâncreas, de R$ 14,8 mil para R$ 17,7 mil; e o de pulmão passará de R$ 37 mil para R$ 44,4 mil.


Estímulo à captação/adicional - Haverá remuneração adicional, equivalente a 100%, para abordagens, manutenção de doador e entrevista familiar que resultar efetivamente em transplante. Essa é uma medida de estímulo à captação de órgão e também à ampliação da qualidade da abordagem. O objetivo é eliminar um dos gargalos existentes na captação de órgãos no país. Apenas 30% das abordagens aos familiares acabam se transformando em transplante de fato.


Igualdade/Exames de inclusão de candidatos - Atualmente, o paciente que conta com planos de saúde privados tem mais facilidade para a realização dos exames exigidos para a inclusão de seus nomes nas listas de transplantes. O paciente que depende exclusivamente do Sistema Único de Saúde não consegue concluir os exames com a mesma rapidez. Para haver eqüidade, será garantida melhor remuneração ao conjunto de exames necessários à inclusão dos pacientes da rede pública na lista de transplantes. Esses pacientes poderão fazer os exames nas instituições privadas ou filantrópicas credenciadas ao SUS.


Atendimento aos doadores - Os doares de rim e parte de fígado e de pulmão passam a ter acompanhamento preferencial após a cirurgia. Serão duas revisões no primeiro ano e, depois, uma vez por ano, sem limite de prazo. Isso não era previsto na tabela anterior.


Bancos de Cordão Umbilical - Os bancos de cordão umbilical serão incluídos na tabela de procedimentos, que, até então, não eram remunerados. Os cordões farão parte do Cadastro Nacional de Doadores de Medula Óssea, o que reduzirá a dependência brasileira da importação e aumentará as chances de encontrar doadores compatíveis para os pacientes candidatos.


Doador expandido - O novo regulamento técnico normatiza o uso de órgãos de doadores chamados expandidos. Ou seja, é possível a realização de transplantes entre os portadores de hepatites B e C, Aids, Doença de Chagas e alguns tipos de tumores (intracranianos), desde que os receptores assinem termo de consentimento informado. A medida amplia a possibilidade de realização de transplantes e reduz o descarte de órgãos. O fato de o paciente candidato aceitar esse tipo de doação, não o exclui de concorrer a órgão de doadores não expandidos.


Organização de Procura de Órgãos - Hoje, a organização do Sistema Nacional de Transplantes se dá por meio de uma coordenação nacional, no Ministério da Saúde. Existem ainda as centrais estaduais e as comissões hospitalares. Para realizar uma melhor articulação entre as duas unidades, está sendo criada a Organização de Procura de Órgãos (OPOs). Cada Opos será responsável por uma área geográfica, que abriga vários hospitais e suas respectivas comissões, com o objetivo de promover o processo de doação e captação de órgãos e tecidos. Esta possibilidade está prevista no novo regulamento técnico, mas não será obrigatória.

 

LEIA TAMBÉM: Campanha incentiva doação de órgãos no Brasil

Voltar

09/04/2019 - OUVIDORIA EM FOCO

09/04/2019 - DIA MUNDIAL DA SAÚDE

05/04/2019 - NOTA ABERTA À POPULAÇÃO

30/11/2018 - PREOCUPAÇÃO COM A PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

09/11/2018 - DOAÇÃO DE SANGUE NO HFB

09/11/2018 - Novembro Azul conscientiza homens para prevenção do câncer de próstata.

 

HFBnet - Hospital Federal de Bonsucesso
Av. Londres 616 - Bonsucesso - Rio de Janeiro - CEP:21041-030

(21) 3977-9500
279233 visitantes