HFBnet - Hospital Federal de Bonsucesso
 
Comunicação Social  Notícias |   Clipping | Vídeo | HFB Informa | Informe HFB
Home
O Hospital
Gestão
Centro de Estudos
Comunicação Social
CCIH
Ouvidoria
HFB Ciência
Sua Saúde
Links
Recursos Humanos
Programa de Diabetes


  você está aqui > Home > Comunicação Social > Notícias

009/12/2012

HFB irá implementar metas internacionais de segurança



Por Danielle Fernandes

O Hospital Federal de Bonsucesso, através do Núcleo da Qualidade e Segurança (NQS), está trabalhando para a implantação das Metas Internacionais de Segurança do Paciente (MISP), desde a reestruturação do Núcleo em março deste ano. Para isso, Grupos de Trabalho (GT) de cada uma das metas estão sendo estruturados para discussão e elaboração dos Planos de Ações.

O GT da Meta 1, que corresponde à Política de Identificação do Paciente no HFB, está trabalhando intensamente na elaboração dos fluxos para implantação desta meta. A partir da primeira quinzena de setembro iniciará a implementação da Pulseira de Identificação nas Unidades de Internação, Maternidade e Emergência. Posteriormente, o trabalho seguirá para os Serviços de Apoio Diagnóstico e Terapêutico (Endoscopia, Hemodinâmica, Broncoscopia e Urologia), Oncologia, Hemodiálise, Centro Cirúrgico do Ambulatório, entre outros.

Neste primeiro momento, a identificação será feita a caneta azul ou preta, escrito em letra de forma, de forma legível, sem rasuras. Os identificadores que devem constar na pulseira são: Nome Completo / Data de Nascimento / Nome da Mãe (sem abreviações). O processo de verificação preconiza que imediatamente antes de: administrar medicamentos; sangue ou hemoderivados; antes de coletar sangue ou outras amostras para exames clínicos; antes de fornecer alimentação; de administrar quaisquer outros tratamentos; antes de procedimentos diagnósticos com sedação ou procedimentos cirúrgicos, seja indagado ao paciente (lúcido e orientado) a sua identificação, neste caso as informações preconizadas pela norma - Nome Completo / Data de Nascimento / Nome da Mãe, e só depois confirmar com os dados constantes na pulseira. O profissional não deve chamar o paciente pelo nome antes de realizar a checagem/verificação preconizada e sim indagar do paciente estas informações.

Entenda melhor a meta 1

De acordo com a Coordenadora do trabalho de implantação do NQS do HFB, a gestora Andréa Drumond, a identificação do paciente é prática indispensável para garantir a segurança do paciente em qualquer ambiente de cuidado à saúde, incluindo unidades de internação; pronto atendimento; coleta de exames laboratoriais; exames e procedimentos invasivos.

Andréa esclarece que “as falhas na identificação do paciente podem resultar em erros de medicação; erros durante a transfusão de hemocomponentes e em testes diagnósticos; procedimentos realizados em pacientes errados e/ou em locais errados; entrega de bebês às famílias erradas; entre outros”.

A gestora informa que a identificação deve ser feita por meio de Pulseira de identificação, Prontuário, Etiquetas, sempre que possível, com a participação ativa do paciente e familiar, durante a confirmação da sua identidade. Para assegurar que o paciente seja corretamente identificado, todos os profissionais devem participar ativamente do processo de identificação:

• Na admissão;

• Na transferência ou recebimento de pacientes de outra unidade ou instituição;

• Antes do início dos cuidados, de qualquer tratamento ou procedimento;

• Antes da administração de medicamentos e soluções.

Andréa informa, ainda, algumas dicas e os pontos de atenção, que não se pode descuidar no dia-a-dia, nas Unidades de cuidado. Veja abaixo.

Os profissionais de saúde devem sempre:

1. Não utilizar idade, sexo, diagnóstico, número do leito ou do quarto para identificar o paciente.

2. Verificar continuamente a integridade da pele do membro no qual a pulseira está posicionada.

3. Encorajar o paciente e a família a participar de todas as fases do processo de identificação e esclareça sua importância.

4. Realizar a identificação dos frascos de amostra de exames na presença do paciente, com identificações que permaneçam nos frascos durante todas as fases de análise (pré-analítica, analítica e pós-analítica).

5. Confirmar a identificação do paciente na pulseira, na prescrição médica e no rótulo do medicamento/hemocomponente, antes de sua administração.

A gestora Andrea ressalta, entretanto, que não devem utilizar idade, sexo, diagnóstico, número de leito ou do quarto para identificar o paciente. “É importante que os funcionários entendam a importância do trabalho e colaborem. Depois de todas as metas implantadas, tanto o paciente quanto o profissional ganharão muito”, conclui Andréa.

Quem tiver interesse em participar deste trabalho é só entrar em contato com o Núcleo da Qualidade e Segurança, através dos ramais 9887 e 9745, ou procurar um dos componentes do Núcleo, que são: a gestora Andréa Drumond, a farmacêutica Luciana Lima, a médica Dra. Célia Rossi da Divisão Médica-Assitencial, a administradora do Prédio 2 (Maternidade) Janaína Parangaba, a assistente social Leonor Gomes e a assistente do Planejamento Maria de Lourdes Pacheco.

Saiba mais sobre as Metas Internacionais de Segurança do Paciente – MISP

Em 2005, a Organização Mundial de Saúde (OMS) lançou a Aliança Mundial para a Segurança do Paciente e identificou seis áreas de atuação para direcionar as ações voltadas à Segurança do Paciente.

Essas seis metas têm como objetivo promover melhorias específicas em áreas da assistência consideradas problemáticas. São elas:

Meta 1

Identificar corretamente todos os pacientes antes da realização de procedimentos, de tratamentos e de exames.

Meta 2

Melhorar a comunicação entre os profissionais, especialmente nas ordens verbais e telefônicas.

Meta 3

Melhorar a segurança dos medicamentos de alta vigilância, com foco nos eletrólitos de alta concentração.

Meta 4

Assegurar a realização de cirurgias em local de intervenção determinado, procedimento e paciente corretos, marcação do local de cirurgia e realizar check-list de cirurgia segura.

Meta 5

Reduzir o risco de infecções associadas aos cuidados de Saúde, por meio da higienização das mãos.

Meta 6

Reduzir o risco de lesões ao paciente decorrentes de quedas.

Voltar

09/04/2019 - OUVIDORIA EM FOCO

09/04/2019 - DIA MUNDIAL DA SAÚDE

05/04/2019 - NOTA ABERTA À POPULAÇÃO

30/11/2018 - PREOCUPAÇÃO COM A PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

09/11/2018 - DOAÇÃO DE SANGUE NO HFB

09/11/2018 - Novembro Azul conscientiza homens para prevenção do câncer de próstata.

 

HFBnet - Hospital Federal de Bonsucesso
Av. Londres 616 - Bonsucesso - Rio de Janeiro - CEP:21041-030

(21) 3977-9500
304345 visitantes